Pular para o conteúdo principal

Principais Conceitos de Vygotsky sobre aprendizagem


Lev Semenovich Vygotsky nasceu em 1896 na cidade de Orsha, na Rússia, e morreu em Moscou em 1934, com apenas 38 anos. Formou-se em Direito, História e Filosofia nas Universidades de Moscou e A. L. Shanyavskii, respectivamente.

1.         Principais conceitos de aprendizagem
1.1.     Linguagem e pensamento

A partir de estudo realizado com primatas Vigotsky percebeu que estes conseguem atingir um nível em que podem resolver problemas no seu entorno mediante o uso de instrumentos. Nesse caso existindo uma inteligência prática em ação. A essa etapa o teórico denominou de “Linguagem pré-intelectual”, ao passo que percebeu que os primatas também utilizam algumas expressões faciais, gritos e urros como forma de comunicação, a isto o teórico denominou “Pensamento pré-verbal”.
Analisando as crianças, Vigotsky constatou que elas passam por similar processo, por volta de dois anos de idade essas duas vertentes se unem originando a linguagem intelectual e o pensamento verbal. Nesse momento o vocabulário da criança é enriquecido, ela passa a questionar o que lhe intriga, e sua linguagem e pensamento passa a ser internalizados.
Tal internalização ocorre em três momentos: Fala Social ou Exterior- quando a comunicação engloba elementos do entorno da criança, e tem como finalidade apenas a comunicação com os adultos- Fala Egocêntrica- Quando a criança não tem como prioridade ser ouvido pelo adulto, porém por não saber expressar sua fala apenas para si, expressa com altissonância. Fala Interior- Quando é atingida a potencialidade da reflexão.

1.2      Vygotsky e a análise da palavra

Vigotsky declara que a PALAVRA possui um SIGNIFICADO e um CONCEITO. SIGNIFICADO: consiste em um fenômeno da linguagem CONCEITO: Estabelece relações entre os objetos e suas ações, constituindo o fenômeno do pensamento. Dessa maneira, por exemplo, o lápis seria o SIGNIFICADO e aquilo que o lápis é capaz de fazer, ou seja, riscar é o conceito.

ZONAS DE DESENVOLVIMENTO

Considerando o desenvolvimento da criança como algo ligado a socialização do infante, Vigotsky identificou três níveis desse desenvolvimento:
 O NÍVEL REAL- caracteriza o desenvolvimento de forma retrospectiva, ou seja, refere-se a etapas já alcançadas, já conquistas pela criança.
ZONA DE DESENVOLVIMENTO POTENCIAL- é a capacidade de desempenhar tarefas com ajuda de adultos ou de companheiros mais capazes.
ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL- é a distância entre o nível de desenvolvimento real e potencial. Em outras palavras, refere-se ao caminho que o indivíduo vai percorrer para amadurecer e consolidar funções, estabelecendo-as, assim, no seu nível de desenvolvimento real.

1.3      Mediação semiótica

Mediação semiótica significa a intervenção de signos na relação do homem com o psiquismo de outros homens.
As crianças, de acordo com Vygotsky, quando nascem, interagem com o ambiente externo de uma maneira típica e peculiar. A forma mais elementar de relação do homem com esse ambiente pressupõe uma relação direta de (estímulo-resposta), como por exemplo, a sucção do seio materno ou a retirada repentina da mão de uma superfície quente. Estes reflexos automáticos são considerados atividades de sinalização, entretanto, as formas superiores de relação do homem com o ambiente através do pensamento, da linguagem, das relações lógicas implicam na intervenção de um terceiro elemento, ou seja, dos signos. A significação pressupõe a criação e o uso de signos através dos quais se constroem novas conexões cerebrais. Assim, a partir dos processos mentais elementares que constituem uma base, opera-se o desenvolvimento mental superior através da mediação semiótica.
O processo de educação ocorre, de acordo com esses autores, através da mediação semiótica que, por sua vez, atua na construção de processos mentais superiores. Esta construção é prolongada e complexa em decorrência de uma série de transformações qualitativas em que um estágio é precondição para um estágio posterior, e este uma ampliação ou uma inovação de um estágio antecedente; estas transformações, ligadas entre si, por processos evolutivos e dialéticos, são sócio-históricas, pois é o resultado da apropriação das produções culturais de uma sociedade através de relações com os membros desta sociedade.

1.4      A Internalização

A internalização é relacionada ao recurso da repetição onde a criança apropria-se da fala do outro, tornando-a sua.  Acontece no processo de socialização, porque no momento da relação com  adulto, a criança reconstrói intrinsecamente as formas culturais e o pensamento assim como as significações e os usos das palavras que foram com ela divididas”, ou seja, essa socialização ocorre no dia-dia, através da fala que desenvolve com o adulto, a qual expressa o que foi internalizada a partir da ação dos indivíduos entre os objetos e entre os outros sujeitos, pois é esse o meio de comunicação entre os indivíduos para a troca de experiências.
Este processo é importantíssimo para o crescimento do funcionalismo psicológico humano, porque ele compreende uma atividade externa que deve ser mudada para se tornar uma atividade interna, é interpessoal e se torna intrapessoal.

2.         A Visão de Vygotsky sobre o papel do professor e a escola.

A relação professor e aluno não deve ser uma relação de imposição, mas sim uma relação de cooperação, de respeito e de crescimento. O aluno deve ser considerado um sujeito interativo no seu processo de construção de conhecimento.
O educador seria o suporte, ou andaime para que a aprendizagem do aluno a um conhecimento novo seja satisfatória, para isso o professor tem que interferir na ZDP do aluno para utilizar alguma metodologia. Para Vygotsky essa se dava através da linguagem, do dialogo entre professor aluno.
Os conceitos de Vygotsky percebidos no contexto educacional nos permitem perceber a escola como o local onde há intencionalidade na intervenção pedagógica e que isso promove o processo de ensino-aprendizagem. Nesse ínterim, o professor interfere objetiva, intencional e diretamente na zona de desenvolvimento proximal.
O aluno é percebido como aquele que aprende os valores, linguagem e o conhecimento que seu grupo social produz a partir da interação com o outro, no caso, o professor.

Equipe: Fabrícia, Georgina e Mazé Galdino

Referências bibliográficas:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32831999000100011&script=sci_arttext(interface, comunicação, saúde e educação)
http://www.fae.unicamp.br
http://opensamentoeasletras.blogspot.com/2011/08/vigotsky-vida-obra-e-principais.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PRINCIPAIS TEORIAS DE WALLON

Este estudo teve como objetivo resgatar algumas das principais idéias apresentadas por Henri Wallon em sua teoria contextual dialética sobre o desenvolvimento humano. Seu estudo é de grande valor, principalmente, na área da Educação. O texto foi organizado, pelas alunas Angélica e Edilânia, fazendo uma breve apresentação do autor. Sua teoria pedagógica, que diz que o desenvolvimento intelectual envolve muito mais do que um simples cérebro, abalou as convicções numa época em que memória e erudição eram o máximo em termos de construção do conhecimento. Wallon foi o primeiro a levar não só o corpo da criança mas também suas emoções para dentro da sala de aula. Fundamentou suas idéias em quatro elementos básicos que se comunicam o tempo todo: a afetividade, o movimento, a inteligência e a formação do eu como pessoa. Podemos identificar quatro temas em sua teoria: 1. A questão da motricidade: Entende que a motricidade é a primeira forma de manifestação do ser humano, que suas primeiras manif…

O CONHECIMENTO EM PAULO FREIRE

Paulo Freire em sua longa caminhada em busca da educação problematizadora e libertadora se empenha nos seus trabalhos em expressar o seu sentimento de transformação da realidade opressora em realidade igualitária, sua luta é a favor dos menos favorecidos, os marginalizados da sociedade. A educação tradicional consente que os excluídos/marginalizados da sociedade permaneçam no estado de consciência ingênua e alienação. Freire busca como ideal a conscientização para o conhecimento da realidade e das relações de poder existente na sociedade. Para este pedagogo, o conhecimento é algo a ser construídos na coletividade, pelo qual o movimento da ação–reflexão é tido como fundamental. Sua pedagogia se caracteriza por ser dialógica e dialética, defendendo uma Pedagogia que liberte os marginalizados de sua condição de explorado e alienado, para que estes possam se comunicar, agir e pensar. Freire expõe que está disseminada na sociedade a questão do perigo da conscientização crítica que conduz a…